Horizontes profissionais e transições para o mercado de trabalho

 

Projectos em Curso:

 

Tornando profissões de sonho realidade: transições para novos mundos profissionais atractivos aos jovens

Coordenação: Vitor Sérgio Ferreira

Equipa: Mónica Truninguer (ICS-UL), João Sedas Nunes (CesNova), Miguel Chaves (CesNova), Maria João Taborda (ISCTE-IUL), 2 bolseiros.

Consultores: Maria Isabel Mendes de Almeida (PUC-Rio de Janeiro / Cesap-UCAM), Natália Alves (IE-UL).

Financiamento: FCT - PTDC/CS-SOC/122727/2010

Execução: Janeiro de 2012 – Dezembro 2013

Sumário: As dificuldades com que os jovens hoje se debatem nas suas transições para a vida adulta em geral, e no seu processo de transição para o trabalho em particular, têm tornado esta categoria social num alvo privilegiado de políticas públicas, bem como num dos mais produtivos objectos de estudo da sociologia contemporânea. Num contexto de flexibilização e volatilidade dos mercados de trabalho e de precarização da relação salarial, os jovens são hoje obrigados a lidar com a insegurança e a polivalência que crescentemente pontuam as suas transições para o mundo do trabalho.
O valor do trabalho, contudo, não deixou de ser central na vida dos jovens. Não só continua a ter centralidade, como as suas atitudes perante esta dimensão da vida são mais exigentes, ambicionando no trabalho a combinação ideal de valores extrínsecos (como a segurança e remuneração, por exemplo) com valores intrínsecos (como a realização pessoal e o interesse pela tarefa). Ambição cuja realização, até recentemente, estava sobretudo associada ao exercício de profissões de prestígio sancionadas por diplomas escolares, como médico, advogado, engenheiro ou arquitecto. As profissões sonhadas tendiam a implicar a mediação selectiva da formação superior. No contexto actual, as promessas da universidade que informavam tais sonhos (segurança, estabilidade, emprego, estatuto social, etc.) têm sido colocadas em causa. O diploma já não garante a entrada e progressão numa carreira, sequer um emprego coerente com a formação que certifica. No actual contexto de crise da escola e de incerteza laboral, as promessas académicas concorrem com promessas mediadas por outros contextos sociais, como os media e as próprias culturas juvenis. As profissões de sonho juvenis já não passam obrigatoriamente por carreiras consagradas no ensino formal. Outro tipo de actividades e ocupações têm integrado as expectativas profissionais de cada vez mais jovens, promovendo a sua incursão em novos territórios educativos e laborais, bem como o ensaio de novas formas de viver as transições para a vida adulta que necessitam ser mais estudados.

Objectivos: Ao explorar uma área de investigação sociológica praticamente virgem a nível nacional e internacional, este projecto visa dar conta de aspirações, projectos e trajectos de inserção profissional em áreas de actividade hoje bastante atractivas para as novas gerações, mas ainda pouco institucionalizadas quanto aos recursos e percursos de profissionalização prescritos: a moda, a música de dança, o desporto e a gastronomia. Em termos de universos observáveis, a análise focar-se-á em ocupações recentes em Portugal, como ser modelo ou disc jockey (DJ), e em profissões objecto de acentuados processos de revalorização simbólica e de reconfiguração social, como ser futebolista ou cozinheiro (na versão chef). A pesquisa tem como questão central saber que configurações objectivas e subjectivas assumem os percursos de transição para o mundo do trabalho dos jovens no âmbito destas novas profissões de sonho. As configurações objectivas remetem para a identificação dos itinerários, das condições de socialização e dos recursos mobilizados (sociais, materiais e simbólicos) no acesso ao exercício destas actividades; as configurações subjectivas remetem para os quadros simbólicos (aspirações, expectativas e valores do trabalho) subjacentes à produção do sonho de ser alguém nestas actividades e à sua concretização num projecto e num trajecto.

Metodologia: Metodologicamente, a investigação desenvolver-se-á segundo protocolos de natureza qualitativa, onde a palavra e a experiência dos jovens envolvidos terão lugar privilegiado. Trata-se de uma abordagem metodológica inovadora, considerando o lugar central das metodologias extensivas e quantitativas na investigação nacional e internacional sobre transições para o trabalho, que frequentemente obscurecem as vivências subjectivas desses processos.Para cada uma das quatro actividades em análise, e confinando-nos à região metropolitana de Lisboa, dois contextos contrastantes serão seleccionados. Em cada um desses contextos, a seguinte estratégia metodológica será seguida: a) dois grupos focais de jovens no início da sua formação (total de 16 grupos focais); b) quatro entrevistas em profundidade a jovens creteriosamente seleccionados na base de perfis-tipológicos resultantes do material recolhido nos grupos focais (total de 16 entrevistas a jovens no início da sua formação); c) quatro entrevistas com os pais dos mesmos jovens seleccionados para as entrevistas sobre o tópico da sua profissionalização (total de 16 entrevistas a pais). Também conduziremos entrevistas biográficas a jovens já profissionalizados e integrados no mercado de trabalho, nomeadamente àqueles que representam modelos de referência para os jovens iniciantes. Oito jovens serão seleccionados para cada uma das quatro áreas de actividade analisadas (total de 32 entrevistas).
Em articulação estreita com o discurso biográfico, também exploraremos protocolos de observação directa e de gravação audiovisual: 1) no contexto da prática de aprendizagem dos jovens iniciantes; 2) em situação de desempenho profissional dos jovens já profissionalizados. Teremos assim acesso a práticas concretas difíceis de capturar através de entrevistas.

Palavras-chave: Transições juvenis; Profissionalização; Culturas juvenis; Identidades juvenis

English Version


Site do Projeto>

Jovens, subjectividades e horizontes profissionais: criativização da profissão e profissionalização da criatividade

Coordenação: José Machado Pais, Maria Isabel Mendes de Almeida.

Equipa: Vítor Sérgio Ferreira , Ana Nicollaci, José Alberto Simões (FCSH-UNL)
Financiamento: Projecto realizado em parceria entre o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro; e a Universidade Cândido Mendes do Rio de Janeiro – Centro de Estudos Sociais Aplicados.
Data: 2009 / 2011

 

Sumário: Tendo por objecto de estudo o universo juvenil, pretende-se pesquisar em simultâneo, dois processos:
a) o da "criativização da profissão" - movimento que estará a fazer passar o valor da criatividade, mais habitualmente associado  ao universo das artes, para o espaço da "empresa";
b) o da "profissionalização da criatividade" - movimento que estaria, cada vez mais, a conferir conferindo à criação artística uma tonalidade "profissional". (A coordenação do projecto envolve também a Professora Maria Isabel Mendes de Almeida, da Universidade Cândido Mendes, do Rio de Janeiro).
Objectivos: Identificar, entre jovens portugueses e brasileiros, novas condutas profissionais, propiciadas pela conciliação entre desempenho e criatividade.

As novas gerações de jornalistas em Portugal

Coordenação: José Luís Garcia e José Manuel Rebelo Guinote.

Equipa: Sara Meireles Graça, Adelino Gomes, Diana Adringa, Pedro Sousa, Cesário Borga.

 

Sumário: Estudo de uma geração de jornalistas portugueses surgida após o ano 2000, que vem aprofundar e estender cronologicamente a investigação "Perfil Sociológico dos Jornalistas Portugueses", realizada em 2004 com o apoio da FCT (POCTI/COM/58978/2004). Trata-se aqui de caracterizar uma geração que se debate com um mercado em recessão, devido à crise económica e financeira, e encara a profissão do jornalismo com pessimismo e desencanto, ao mesmo tempo que privilegia a técnica e o individualismo em detrimento de outros valores.O projecto, cujo assunto nunca foi objecto de investigação em Portugal, tem uma dimensão internacional, pois terá como base comparação estudos feitos na França e no Brasil.Objectivos: O objectivo do projecto é a realização de um estudo sistemático dos jovens jornalistas que representam quase 50% dos jornalistas activos. Para perceber o impacto desta nova geração de jornalistas, com as suas frustrações e valores, na formação da opinião pública em Portugal, o estudo partirá de um conjunto de questões em torno dos seguintes tópicos:
1. A imagem que os jornalistas têm da sua profissão
2. A representação que os jornalistas fazem da sua profissão no espaço público
3. As relações que estabelecem com os seus pares profissionais
4. O modo como concebem as relações com os poderes.
Palavras- chave:Profissão, Expectativas, Intervenção, Crise

    Expectativas de carreira: ser futebolista como sonho

    Coordenação: João Sedas Nunes.

     

    Sumário: Trata-se de projecto que propõe conhecer o processo de construção de expectativas de carreira num domínio de profissionalização – a prática futebolística – particularmente atraente para a população juvenil, sobretudo a vincada por certas categorias sociais. Explora-se a ideia de que ser futebolista se terá convertido num sonho incorporado em muitos miúdos. A pesquisa visa assim, latu sensu, restituir o complexo processo de construção (esboço, actualização, modificação, readequação) de expectativas (sonho) de carreira numa esfera de profissionalização sujeita a forte selectividade, o que por seu turno torna o sonho difícil de realizar/consumar e permeável a fantasmagorias.
    Metodologia: Assenta em protocolo qualitativo-intensivo com a realização de uma série restrita de entrevistas. As entrevistas são dirigidas a) a portadores do sonho seleccionados como representativos de certos perfis-tipo: jovens de gerações diferentes, por seu lado subdivididos em: 1) que fazem/fizeram e não fazem/fizeram incursões em escalões de formação de clubes de futebol; 2) que fazem/fizeram e não chegaram a fazer ‘carreiras de futebolista’, não deixando de atender em qualquer dos casos às próprias hierarquias entre clubes; b) personagens/protagonistas que os portadores do sonho entendem que contribuíram para a inscrição do sonho na sua tenção. Mediante este procedimento espera-se conhecer melhor a matriz do sonho – quais os jogos de motivações, expectativas, atitudes, gostos, competências e referências que ele empenha – bem como as suas principais modalidades de formação, incorporação e transformação, não perdendo de vista precisamente os efeitos devidos a trajectórias sociais e desportivas específicas.
    Objectivos: Como é que o sonho de ser futebolista se produz e torna constitutivo do self, como se mantém ou modifica, finalmente em que se converte (das aspirações e das inflexões – esmorecimentos – ou da permanente tensão estrutural entre ilusão e desilusão – pois que de uma profissão sobreseleccionada se trata – ao ‘vivê-lo como realidade’) são as questões gerais a que o estudo procurará responder. Este conjunto de questões desdobra-se em três veios de investigação: a) observa-se tanto o que o sonho faz daqueles que nele investem ou (ainda) podem investir como o que, migrando a vida noutras direcções, esta (retrospectivamente) faz do sonho que em tempos existiu como ficção de futuro viável/possível; b) desnaturaliza-se o sonho – buscam-se as respectivas configurações e a possível existência, socialmente recortada, de um trabalho colectivo de produção do sonho como disposição da volição; c) por fim, elucida-se o espaço semântico do sonho – que outros sonhos e ambições nele se conjugarão? Participarão dele, monitorando-o por dentro, certos temores e ‘fantasmas’? Associar-se-á sempre ao gosto de ‘jogar à bola’?
    Palavras-chave: Futebol, Carreira, Sonho, Juventude.

    Jovens artistas portugueses e os seus mercados de trabalho

    Coordenação: Vera Borges.

    Equipa: Pierre-Michel Menger, Charles Gadea.

     

    Sumário: Este projecto é uma pesquisa em sociologia da arte e da cultura, conduzida o mais próximo possível do terreno, partindo de materiais empíricos diversos. O objectivo deste estudo é compreender quem são os jovens artistas portugueses e examinar as características do seu mercado de trabalho no teatro, cinema, dança, música e artes plásticas. A organização geral deste projecto obedece a três aproximações distintas, mas interdependentes: a produção de dados e a sua análise estatística, partindo do inquérito aos jovens que saíram das escolas de arte superiores universitárias; as entrevistas aprofundadas, de carácter biográfico, realizadas junto dos jovens e as entrevistas de carácter temático, realizadas junto dos responsáveis de instituições chave. Por fim, a análise documental das fontes escritas produzidas pelos Ministérios da Cultura, Juventude, Educação, Trabalho e Finanças, sindicatos e associações; e ainda, as informações recolhidas nos documentos oficiais públicos, fontes estatísticas correntes e documentos não oficiais como a imprensa.Objectivos 1/ Avaliar a importância das novas gerações na mudança artística dos mundos das artes performativas, música e artes plásticas; 2/ Examinar a evolução da actividade artística desenvolvida pelos jovens; 3/ Apreciar as suas modalidades de socialização, profissionalização e inserção no mercado; 4/ Descrever as suas experiências de aprendizagem amadoras e escolares; 5/ Apreender a importância dos seus primeiros trabalhos como meios de aprendizagem pela experiência e acumulação de competências em situação de trabalho; 6/ Discutir as formas de ligação dos alunos ao mundo do trabalho, através dos professores e das estratégias activas de trabalho dos primeiros; 7/ Apreciar os mecanismos e a eficácia das políticas culturais públicas do Estado e das câmaras municipais.
    Palavras-chave: Profissões artísticas, Mercado de trabalho

     

    Projectos Terminados:

    Empregabilidade e ensino superior em Portugal

    Coordenação: José Luís Cardoso.

    Equipa: Marta Varanda (ICS-UL), Vitor Sérgio Ferreira (ICS-UL), Paulo Madruga (ISEG-UTL), Vitor Escária (ISEG-UTL)

    Financiamento: Projecto realizado em parceria entre o Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, e o CIRIUS - Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa (ISEG-UTL), com o apoio financeiro da A3ES

    Data: Julho de 2011 a Julho de 2012

    Sumário: A empregabilidade designa a qualidade ou possibilidade de se ter um emprego. O seu acréscimo ou melhoria constitui um dos objectivos primordiais apontados pelo Processo de Bolonha. Neste sentido, o conjunto do sistema de ensino superior (universitário e politécnico, público e privado), deverá ser sujeito à verificação dos seus resultados através do modo como os graduados e diplomados obtêm ou consolidam uma posição no mercado de trabalho. A ênfase colocada neste objectivo visa assinalar que, para além de proporcionar uma formação cívica e humana de carácter global, o ensino superior destina-se a formar profissionais qualificados e bem preparados para enfrentar os desafios e adversidades do mercado de trabalho. Mas também é necessário ter presente que as competências adquiridas pelos diplomados que concluíram um determinado ciclo de estudos só estarão plenamente cumpridas quando tais diplomados concretizarem a sua aprendizagem através da prestação de um serviço de trabalho, o que nem sempre está ao seu alcance imediato. Cinco anos após a generalização da adopção do Processo de Bolonha no sistema de ensino superior em Portugal, importa saber se tal objectivo primordial da realização da empregabilidade tem sido alcançado. Por tal razão, julgamos essencial realizar um estudo sistemático que permita complementar e prolongar os resultados de outros trabalhos pontuais e sectoriais, com vista à formação de um conhecimento aprofundado da situação da empregabilidade dos diplomados do ensino superior em Portugal.
    Objectivos: Compreender em que medida as instituições universitárias e politécnicas portuguesas estão dimensionadas e preparadas para corresponder às necessidades e disponibilidades de emprego, e quais as reformas e reestruturações que é necessário promover para melhorar o seu desempenho neste domínio. Saber qual o papel que as instituições de ensino superior atribuem aos gabinetes ou observatórios de acompanhamento dos percursos dos seus diplomados ou, quando tais serviços não estejam disponíveis, qual a sensibilidade que têm sobre a importância desta matéria no quadro das suas rotinas de funcionamento. Perceber em que medida os resultados conhecidos sobre empregabilidade de diplomados nos diferentes ciclos de estudos condiciona ou pressiona as instituições a mudanças significativas na estrutura da sua oferta curricular.
    Metodologia: O trabalho a realizar será orientado em torno de dois eixos ou componentes fundamentais, que passaremos a explicar separadamente:
    1) Eixo ou componente de análise empírico-quantitativa: esta abordagem permitirá a fixação e sistematização de elementos dispersos de informação sobre o número de diplomados no ensino superior português, ao longo de um período mínimo de 10 anos, e sobre a caracterização das respectivas entradas ou progressões no mercado de trabalho. Será privilegiada uma abordagem que procurará explorar os contributos que diversas fontes de informação podem providenciar para obter as respostas às questões identificadas. Procurar-se-á, com estes diferentes olhares permitidos pelas diferentes fonte de informação, construir uma visão tão completa e sistemática quanto possível.
    2) Eixo ou componente de análise qualitativa: Com base nos resultados recolhidos a nível das fontes secundárias, será construída uma amostra limitada de estudos de caso (6 a 8) a explorar mais intensivamente, tipologicamente ilustrativos de diferentes configurações de inserção profissional. Dado que a análise estatística dos dados secundários é insuficiente para compreender as fragilidades do emprego dos diplomados, na exploração de cada estudo de caso serão aplicadas técnicas mais intensivas de recolha de dados, recorrendo-se a entrevistas individuais semi-directivas a actores-chave identificados para cada dimensão de análise: responsáveis académicos pela avaliação e encaminhamento laboral; alunos, ex-alunos e seus representantes; empregadores e seus representantes; representantes de associações e de movimentos sociais a actuar na área.

    Palavras-chave: ensino superior; empregabilidade; transições para o mercado de trabalho.
     

    Working Paper>

     

    Percursos de inserção no mercado de trabalho, família e escola: novos cenários e outras dinâmicas

    Coordenação: Ana Nunes de Almeida.

    Equipa: Maria Manuel Vieira
    Financiamento: Projecto financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, em protocolo com o Departamento de Estudos, Estatísticas e Planeamento do Ministério da Segurança Social e do Trabalho (Projecto PICS/SOC/50013/2003).
    Data: 2004-2006

     

    Sumário: Portugal tem vivido as últimas décadas sob o signo da mudança e a sociedade portuguesa tem características de uma complexa "modernidade inacabada". A família e a escola têm sido dois desses campos em transformação, em que o passado e o presente se articulam em novas modalidades. Partindo daquelas duas realidades, este estudo pretende caracterizar e explicar a construção de percursos de inserção no mercado de trabalho (formal e informal) num universo de jovens, rapazes e raparigas, de diferentes origens étnicas e sociais, alunos do 3º ciclo básico e secundário. Utilizando uma abordagem sobretudo qualitativa, baseada em estudos de caso realizados a partir de entrevistas a jovens (estudantes de escolas públicas que integram o "Observatório Permanente de Escolas ICS") e às respectivas famílias, define-se como produto final a elaboração de uma tipologia da diversidade dos perfis encontrados.
    Objectivos:Partindo da caracterização de dinâmicas familiares e percursos escolares, este estudo pretende caracterizar e explicar a construção de percursos de inserção no mercado de trabalho (formal e informal) num universo de jovens, rapazes e raparigas, com diferentes origens étnicas e sociais, alunos do 3º ciclo do ensino básico e secundário de escolas públicas portuguesas. Toma-se como base um conjunto de 6 escolas com distintas situações geográficas (meio rural, urbano e suburbano), recrutamentos étnicos e sociais diversificados, diferentes projectos educativos - de modo a permitir a construção de uma tipologia qualitativa. Privilegiando uma abordagem interdisciplinar, trabalhando num universo diversificado de actores e instituições, introduzindo na análise o ponto de vista dos protagonistas (jovens e famílias), este estudo pretende contribuir para o avanço do conhecimento científico nas áreas da família, escola e trabalho, nas suas múltiplas interdependências

     

    Misleading trajectories? Evaluation of employment policies for young adults in Europe regarding non-intended effects of social exclusion

    Coordenação em Portugal: José Machado Pais.

    Equipa: Vitor Sérgio Ferreira, Mafalda Santos.
    Coordenação científica: Barbara Stauber e Andreas Walter (IRIS - Institute for Regional Innovation and Social Research, Tübingen).
    Realização científica da EGRIS (European Group for Integrated Social Research).
    Financiamento: Comissão Europeia no âmbito do Programa TSER (Targeted Socio-Economic Research).
    Data: 1998 / 2001
    Página do projecto.

     

    Misleading Trajectories? An Evaluation of the Unintended Effects of Labour Market Integration Policies for Young Adults in Europe - Scientific Report, April 2001

    • Faixa publicitária
    • Faixa publicitária
    • Faixa publicitária

    Contacte-nos